Análise da heterossexualidade institucionalizada como Fato Social à luz das concepções Durkeimianas

Carolina Stéphanie Rodrigues Gonçalves

Resumo


Buscando possibilitar o desenvolvimento de uma reflexão acerca da realidade social, a heterossexualidade compulsória será tomada como objeto de análise, sendo analisada à luz do arcabouço teórico-conceitual de Émile Durkheim. Utilizando-nos da definição dos fatos sociais esboçada pelo autor no primeiro capítulo da obra As regras do método sociológico e de suas características nodais, a saber, a coercitividade, a exterioridade e a generalidade, nosso objetivo será discerni-las e reconhecê-las (se cumprirem-se) neste fenômeno que nos parece possuidor do sinal distintivo do fato social. Para acessarmos a concepção que dele tem o grupo social - única concepção socialmente eficaz, como advertira Durkheim - nos utilizaremos de alguns pensadores para nossa interlocução, sendo eles: Monique Wittig, Adrienne Rich, Eve K. Sedgwick e Jonathan N. Katz. Tal procedimento analítico representa uma condição mesma para que, ao fim destas páginas, possamos brevissimamente questionar o status supostamente não-problemático da heterossexualidade e considerá-la, portanto, como eminentemente social.


Palavras-chave


Durkheim. Fatos sociais. Heterossexualidade compulsória.

Referências


CARDOSO DE OLIVEIRA, R. Identidade étnica, identificação e manipulação. Sociedade e cultura, v. 6, n. 2, 2003.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KATZ, J. N. A ameaça lésbica revida: algumas críticas de feministas-lavanda. In: ______. A invenção da heterossexualidade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996. p. 143-168.

MARIANO, S. A. Modernidade e crítica da modernidade: a Sociologia e alguns desafios feministas às categorias de análise. Cadernos Pagu, Campinas, n. 30, p. 345-372, 2008.

MISKOLCI, R. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, n. 21, p. 150-182, 2009.

MISKOLCI, R. Comentário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 55-63, 2007.

OLIVEIRA, R. M. de; DINIZ, Débora. Materiais didáticos escolares e injustiça epistêmica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 1, p. 241-256, 2014.

PAIS, J. M. Durkheim: das Regras do Método aos métodos desregrados. Análise Social, v. XXX, p. 239-263, 1995.

RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas, Natal, v. 4, n. 5, p. 17-44, 2010.

SEDGWICK, E. K. A epistemologia do armário. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, 2007.

WITTIG, M. O pensamento heterossexual. In: ______. O pensamento heterossexual e outros ensaios. Barcelona: Egales Editorial, 2005. p. 45-58.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

____________________________________________

A Revista Alabastro agora está indexada no portal e-Revistas, uma "Plataforma Open Access de Revistas Científicas Electrónicas Españolas y Latinoamericanas, un proyecto impulsado por el Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), del Ministerio de Economia Y Competitividad, del Gobierno del España, con el fin de contribuir a la difusión y visibilidad de las revistas científicas publicadas en América Latina, Caribe, España y Portugal".

Confira em: http://www.erevistas.csic.es/ficha_revista.php?oai_iden=oai_revista1251

____________________________________________

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO

Rua General Jardim, 522 - Vila Buarque
São Paulo-SP - CEP: 01223-010
Próximo ao metrô República ou Santa Cecília

Fone: (11) 3123-7800