Altas habilidades/superdotação na Educação Básica: Apontamentos a partir da perspectiva de gênero

Laís Regina Kruczeveski, Aline Oliveira Gomes da Silva

Resumo


Este artigo trata-se de uma revisão bibliográfica acerca do fenômeno das altas habilidades/superdotação, apresentando suas definições, questionamentos e, principalmente, analisando a situação das mulheres com superdotação, levando-se em conta as diferenciações de gênero. Debate-se também sobre como ao longo do desenvolvimento da ciência moderna, as mulheres sempre enfrentaram maiores barreiras para ter acesso à educação e ao conhecimento historicamente sistematizado e acumulado.  Concluiu-se que na atualidade as mulheres identificadas com superdotação enfrentam desafios maiores do que os homens que se encontram na mesma situação, isso devido aos paradigmas de gênero ainda vigentes na sociedade.


Palavras-chave


gênero; altas habilidades/superdotação; educação especial; mulher

Referências


ALENCAR, Eunice M. L. Soriano. Indivíduos com altas habilidades/superdotação: classificando conceitos, desfazendo idéias errôneas. In: A Construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidadess/superdotação, Orientação a professores. Vol. 1. Fleith, Denise de Souza (org). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação especial, 2007.

BENHABIB, Seyla. El otro generalizado y el otro concreto: La controvérsia Kohlberg-Gilligan y La teoría moral. In: El ser y el otro en La ética contemporánea: Feminismo, comunitarismo e posmodernismo. Barcelona: Gedisa editorial, 2006.

BRASIL. Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em Gênero, Orientação Sexual e Relações Étnico-Raciais. Livro de conteúdo. Versão 2009. – Rio de Janeiro : CEPESC; Brasília : SPM, 2009.

DELOU, Maria Cristina Carvalho. Educação do aluno com altas habilidades/superdotação: Legislação e políticas educacionais para a inclusão. In: A Construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidadess/superdotação, Orientação a professores. Vol. 1. Fleith, Denise de Souza (org). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação especial, 2007.

FANTII, Bruna. Número de superdotados cresce 17 vezes em 14 anos nas escolas do país. São Paulo: Folha de São Paulo, 18 out. 2015. Disponível em: Acesso em: 9 jul. 2018.

FAUST, Georgia Martins. Altas Habilidades e superdotação: questão de gênero? 30 jun. 2015. Disponível em: Acesso em: 07 out. 2016.

FLEITH, Denise de Souza (org) A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: volume 1: orientação a professores / organização. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

FREITAS, Soraia Napoleão; PÉRES, Susana Graciela Pérez. A mulher com altas habilidades/superdotação: à procura de uma identidade. Marília: Revista Brasileira, edição especial, v. 18, n. 4, p. 677-694, outubro-dezembro, 2012.

GARCIA, Olga; GROSSI, Miriam; GRAUPE, Mareli. Gênero, sexualidade e diversidade do currículo escolar: a experiência do papo sério em Santa Catarina. Dossiê temático: currículo e diversidade. Vitória da conquista: Práxis educacional, v. 11, n. 18, p. 131-151. Janeiro/abril 2015.

GARDNER, Howard. Estruturas da mente – a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

NUSSBAUM, Martha. Capacidades e justiça social. In: Deficiência e igualdade. DINIZ, Debora; MEDEIROS, Marcelo; BARBOSA, Lívia (Org.). Brasília: Letras Livres: Editora Universidade de Brasília, 2010.

PALUDO, Karina; DALLO, Luana. Gênero e altas habilidades/superdotação: Incidência menor em meninas? A inclusão dos superdotados na escola e na sociedade. V Encontro Nacional ConBrasSD, 2012. Disponível em: Acesso em: 01 nov. 2017.

PARANÁ. Departamento de Educação Especial e Inclusão Educacional. Disponível em: Acesso em: 16 out. 2015.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência?Bauru: EDUSC, 2001.

VELHO, Léa. Apresentação. In: Ciência, Tecnologia e gênero: desvelando o feminino na construção do conhecimento. Lucy Woellner dos Santos [et al]. Londrina, IAPAR, 2006.

VIRGOLIM, Angela Mágda Rodrigues. Altas habilidade/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. Disponível em: Acesso em: 20 fev. 2017.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

____________________________________________

A Revista Alabastro agora está indexada no portal e-Revistas, uma "Plataforma Open Access de Revistas Científicas Electrónicas Españolas y Latinoamericanas, un proyecto impulsado por el Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), del Ministerio de Economia Y Competitividad, del Gobierno del España, con el fin de contribuir a la difusión y visibilidad de las revistas científicas publicadas en América Latina, Caribe, España y Portugal".

Confira em: http://www.erevistas.csic.es/ficha_revista.php?oai_iden=oai_revista1251

____________________________________________

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO

Rua General Jardim, 522 - Vila Buarque
São Paulo-SP - CEP: 01223-010
Próximo ao metrô República ou Santa Cecília

Fone: (11) 3123-7800